Vinculação entre o Importador e o Adquirente ou Encomendante no Siscomex

Para que seja possível o registro da Declaração de Importação (DI) com a vinculação entre o importador e o adquirente (ou o encomendante, conforme o caso), tanto o importador quanto o adquirente (ou encomendante) deverão estar previamente habilitados para operar no Siscomex nos termos da IN RFB nº 1.603/2015. Para maiores informações consulte o Manual Aduaneiro de Hablitação no Siscomex.

Registro da vinculação pelo próprio responsável legal

O responsável legal pela Pessoa Jurídica adquirente ou encomendante pode incluir a representação para o importador (representação por terceiro) diretamente no Portal Único  Siscomex, módulo Cadastro de Intervenientes, não sendo necessário, neste caso, peticionar perante a RFB.

Solicitação da vinculação à Receita Federal

Opcionalmente, a solicitação para vinculação pode ser apresentada em qualquer unidade de atendimento da RFB, devendo o interessado (importador, adquirente ou encomendante) adotar os seguintes procedimentos:

  • O interessado deverá protocolizar em uma Unidade da Secretaria da Receita Federal do Brasil (URF) o pedido de vinculação dos CNPJ envolvidos, por meio da abertura de um DDA (dossiê digital de atendimento). O requerimento tem formato livre.

  • O DDA deverá ser instruído pelo contrato firmado entre o importador e o adquirente (ou encomendante) e pela documentação necessária para identificar a legitimidade do contrato e seus signatários.

A RFB movimentará o DDA para a URF de jurisdição aduaneira sobre o estabelecimento-matriz do adquirente ou encomendante (conforme o caso), que apreciará a documentação e procederá a vinculação no cadastro de Intervenientes do Portal Único Siscomex.

Estabelecimentos distintos da mesma empresa

Como visto, no caso de importação por conta e ordem ou encomenda de filial de PJ, o interessado, adquirente ou encomendante, pode incluir a representação por terceiro diretamente no Portal Único  Siscomex, módulo Cadastro de Intervenientes. Opcionalmente, o importador, adquirente ou encomendante pode solicitar a vinculação à Receita Federal, apresentando seu requerimento por meio de DDA, instruído com o contrato firmado entre as partes.

Em qualquer dos casos, como apenas o número base do CNPJ é cadastrado no sistema, o vínculo estabelecido permite a importação por conta e ordem ou encomenda por quaisquer estabelecimentos dos CNPJ vinculados, independentemente de se tratar de matriz ou filial. O importador deverá registrar a DI com o CNPJ de seu estabelecimento efetivamente envolvido na operação comercial, indicando também o estabelecimento da adquirente (ou encomendante) efetivamente participante da operação.

Fonte: SRF

Aprenda Comércio Exterior
whatsapp: 31 98411.8218
Anúncios

Curso de trader internacional

Curso de Trader Internacional

Você Quer Aprender Intermediar Negócios Internacionais e ter suporte técnico ilimitado pelo WhatsApp?

Então você está no lugar certo!

foto cursos gs

Objetivo: Capacitar o aluno para atuar como trader internacional ou como intermediário em negócios internacionais no papel de (Representante Comercial / Agente / Trader / Broker). O foco deste curso é a área comercial internacional.

Este curso pode ser feito por quem deseja intermediar negócios com (minério de ferro, soja, açúcar, café, milho, cimento, arroz, trigo, etc) ou para quem deseja intermediar negócios com qualquer outro tipo de produto, seja embarcado em grandes navios ou em quantidades menores, embarcadas em containers ou em quantidades menores do que um container.

Porque fazer nosso curso à distância: Nosso curso à distância oferece um grande diferencial em relação aos outros cursos que são oferecidos atualmente no mercado pois o aluno é tratado de forma especial. O professor está sempre em contato com o aluno que receberá atendimento individual e personalizado durante todo o curso. O professor responde e corrige rapidamente todas as dúvidas e exercícios e também oferece orientações através do Whatsapp. O material de aulas é muito completo e de simples entendimento. O aluno recebe dicas e orientações para conseguir alcançar seus objetivos pessoais e profissionais e pode estudar nos dias e horários que quiser.

Material de aulas: Uma apostila impressa que será enviada através dos correios e um CD-ROM com informações complementares. Material de apoio poderá ser enviado por email através do professor. Todo conteúdo do curso, o atendimento, as aulas, o material didático, a metodologia, as vídeo aulas e os exercícios práticos foram todos criados e são sempre atualizados pelo professor para permitir que o aluno aprenda comércio exterior de forma fácil, rápida, divertida e que termine o curso com real capacidade para começar, planejar e gerenciar as atividades na área de comércio exterior, seguindo todos os procedimentos exigidos pela legislação brasileira.

Metodologia: O aluno recebe a apostila impressa e o CD-ROM pelos correios, estuda através do roteiro apresentado na apostila, mantém contato com o professor através de e-mail e Whatsapp, faz e envia os exercícios para correção. Na medida que faz os exercícios receberá informações complementares sobre o tema de estudos. Durante o curso pode fazer quantas perguntas quiser ao professor. O aluno também recebe acesso ao nosso site (com nome de usuário e senha) para poder ter acesso a ferramentas para colocar em prática o conteúdo do curso e para assistir video aulas. O acesso ao site é liberado pelo professor após a confirmação do pagamento, permitindo que o aluno inicie o curso de forma rápida, antes mesmo de receber o material de aulas pelos correios.

Durante o curso pode fazer duas aulas online por voz (com duração de uma hora) usando o Skype. A aula pelo Skype é individual e já está incluída no valor do curso. Depois que o aluno enviar todos os exercícios da apostila irá receber o certificado de conclusão do curso.

Vídeo Aulas: Este curso oferece vídeo aulas que foram gravadas pelo professor e que você poderá assistir no horário e no dia que achar melhor para você.

Certificado: O aluno que entregar todos os exercícios do curso estará apto para receber o certificado de conclusão. Nosso certificado é válido para apresentação em todo território nacional e serve como comprovação de currículo. A GS Educacional é uma empresa muito bem reconhecida, valorizada e premiada no Brasil e no exterior, sendo uma das poucas instituições de ensino no Brasil que já ganhou diversas indicações e premiações.

Contato: Whatsapp: 31 98411.8218

Página oficial do curso: http://www.cursosdecomercioexterior.com.br/trader.htm

Programa do Curso

Incoterms – International Commercial Terms

Versão 2010: EX-WORKS, FCA, CPT, CIP, FOB, FAS, CFR, CIF, DAT, DAP, DDP

Modelo de Havard para Negociações

Técnicas de Negociação baseadas nas seis forças: Pessoas, Interesses, Opções, Critérios, MAANA, Compromisso

Estilos de Negociação

Estilos de Negociação, Modelo Cooperativo x Modelo Competitivo, Abordagem Integrativa e Distributiva

Planejamento e Técnicas de Negociação Internacional

Como Planejar e Preparar um Processo de Negociação, Técnicas de Negociação Internacional

Linguagem Assertiva

Linguagem Assertiva, Como Comunicar de Forma Eficaz, Como desenvolver Alternativas à Negociação de um Acordo

Processo de Negociação Internacional

O Processo de Negociação Internacional, Características Culturais que Influenciam o Processo de Negociação Internacional, Como negociar com base em critérios legítimos e objetivos

Características Culturais que Influenciam no Processo de Negociação Internacional

Como as características de diferentes culturas influenciam no processo de negociação, estudo das características culturais de alguns países.

Modalidades de Pagamento

Pagamento Antecipado, Remessa sem Saque, Cobrança Documentária, Carta de Crédito

Contratos de Afretamento Marítimo

Modalidades de Afretamento de Navios, Termos Técnicos em Contratos de Afretamento Marítimo.

Sistemática do Processo de Intermediação e Negociação do Trader Internacional

Como intermediar e realizar negócios na área de comércio exterior entre empresas localizadas no Brasil e no exterior.

Particularidades das Intermediações de Negócios Internacionais

Orientações e dicas sobre como proceder durantes as intermediações de negócios internacionais, como resguardar o pagamento de comissões, situações que devem ser evitadas, dicas de negociação.

Documentação e Termos Técnicos

Fatura Pro Forma, Fatura Comercial, Packing List, Conhecimento de Embarque, LOI, BCL, FCO, ICPO, Carta de Crédito, Performance Bond, Bid Bond, CPA, NCND, Swift, Hedge, Commodities.

Riscos existentes nos processos de intermediação internacional

Riscos existentes durante o processo de intermediação de negócios internacional, como minimizar os riscos existentes durante o processo de negociação, riscos envolvidos no recebimento de comissões.

Comissões

Como negociar o recebimento de comissões durante o processo de intermediação de negócios internacionais.

Exercícios Práticos

Diversos exercícios práticos envolvendo o conteúdo do curso.

Curso de importação em Belo Horizonte

foto curso imp bh

Objetivo: Capacitar o aluno para planejar e gerenciar os processos de importação de uma empresa. Este curso pode ser feito por pessoas e empresas que desejam importar produtos de qualquer país. O curso apresenta o passo a passo do início ao fim de um processo de importação, desde a habilitação da empresa na Receita Federal até a chegada da mercadoria no Brasil.

Este curso pode ser feito por qualquer pessoa, mesmo que ainda não tenha experiência com importação ou para quem deseja iniciar em breve um processo de importação para sua empresa.

Data: 24/8/18 – 75ª turma

Horário: 8:00 às 16:00

Carga horária: 07 horas/ aula

Local: Câmara de Comércio e Indústria Brasileira – Sobreloja, R. General Andrade Neves, 131 – Gutierrez, Belo Horizonte Belo Horizonte

Valor do curso: R$ 350,00 à vista no boleto bancário.

Material de aulas: Uma apostila impressa, um cd-rom com material de apoio. Após o término da aula presencial o aluno terá mais um mês para tirar dúvidas e para pedir orientações ao professor.

Certificado: Será entregue no final da aula presencial.

E quem será o meu professor? Professor Henrique Mascarenhas – Administrador de Empresas com Habilitação em Comércio Exterior, MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais pela Fundação Getúlio Vargas, Certificado em Estratégia de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, Certificado em Ética pela Fundação Getúlio Vargas em Parceria com a Universidade da Califórnia, Certificado em Didática do Ensino Superior pela Fundação Getúlio Vargas.

Contato: Whatsapp: 31 98411.8218 – www.gseducacional.com.br

Programa do curso:

Incoterms – International Commercial Terms

Versão 2010: EX-WORKS, FCA, CPT, CIP, FOB, FAS, CFR, CIF, DAT, DAP, DDP

Habilitação da Empresa no RADAR

Modalidade de Habilitação e Procedimentos para Habilitação

Classificação Fiscal de Mercadorias

Sistema NCM/SH e TSP

Importação de Forma Direta e Importação de forma Indireta (Terceirizada)

Conheça os benefícios de importar de forma direta

Conheça os benefícios e riscos de importar de forma indireta

Importação por conta e ordem e importação por encomenda

Modalidades de Importação

Aprenda como importar via terrestre, via área, via marítima, através dos Correios (Importa Fácil) e por Courier

Logística para Importação

Marcação de Volumes, Modais de Transporte, Composição do Frete, Seguro, Tipos de Avarias, Tipos de Cargas, Tipos de Containeres, Tipos de Navios, Planejamento do processo de logística.

Cobrança de Demurrage na Devolução dos Containers e suas implicações judiciais para o importador.

Contratação de Seguro de Carga Internacional

Informações sobre como contratar o seguro de transporte internacional para as mercadorias que serão importadas, informações sobres os tipos de cobertura do seguro

Cálculo de Tributos e Despesas Incidentes na Importação

II, IPI, ICMS, PIS, COFINS, AFRMM, outras taxas e despesas incidentes no processo de importação

ICMS: Como a base de cálculo do ICMS varia de acordo com cada estado do Brasil, o curso apresenta informações e a fórmula para fazer o  cálculo por dentro do ICMS e orienta o aluno como pesquisar a base de cálculo dos estados do Brasil.

O aluno terá informações sobre como calcular os tributos e informações sobre as bases de cálculos.

Investigações e Defesa Comercial

Produtos que poderão estar sujeitos a processos de investigação comercial, salvaguardas, antidumping ou medidas compensatórias.

Estimativa de custos da mercadoria a ser importada

Orientações para elaboração de uma planilha de custos na importação para obter estimativa de custos da mercadoria que será importada, informações sobre as despesas tributárias e não tributárias que incidem na importação.

Despesas Incidentes na Importação

Planejamento das Despesas Incidentes no Processo de Importação

Tratamentos Administrativos na Importação

Importações sujeitas a licença de importação, Antidumping e Medidas Compensatórias

Modalidades de Pagamento na Importação

Pagamento Antecipado, Remessa sem Saque, Cobrança Documentária, Carta de Crédito

Situações onde é necessária uma carta de vínculo do fornecedor para envio de pagamento

Documentação usada na Importação

Fatura Pro-Forma, Fatura Comercial, Packing List, Conhecimento de Embarque, Contrato de Câmbio, análise de documentos.

Despacho Aduaneiro

Noções do processo de despacho aduaneiro na importação.

Riscos existentes no processo de despacho aduaneiro de importações consolidadas na origem (de diversos fornecedores no exterior) e amparadas por um único conhecimento de embarque house

Importação Paralela

Referências jurídicas sobre a possibilidade de importar produtos de marcas conhecidas

Infrações e Penalidades Existentes nos Processos de Importação

Tipos de penalidades, multas, redução de multas

Sistemática do Processo de Importação

Passo a Passo do Processo de Importação

Localização de Fornecedores no Exterior / Localização de Fornecedores na China

Como localizar fornecedores no exterior, como localizar fornecedores na China, como negociar em segurança com os fornecedores encontrados.

Riscos envolvidos em uma operação de importação

Contato com fornecedores inexistentes, não recebimento das mercadorias que foram pagas, recebimento de mercadorias em falta ou com defeito, remessa de pagamento ao exterior sem recebimento da mercadoria, outras situações que possam afetar o processo de importação e que possam gerar problemas com a fiscalização.

Como Reduzir Custos e Riscos na Importação

Orientações e dicas para a empresa poder diminuir custos e riscos no processo de importação

Auditorias na China

Como contratar um serviço de auditoria na China para inspecionar a qualidade dos produtos, inspecionar o embarque das mercadorias, testar amostras e acompanhar o carregamento do container.

Análise de Risco Internacional

Como contratar um serviço de análise de risco internacional para obter informações e referências dos fornecedores encontrados na China e em outros países.

Referências de Prestadores de Serviços

Inclui referências de empresas que trabalham com classificação fiscal de mercadorias,  auditorias na China, logística e despacho aduaneiro.

Aviso: Este curso não aborda o tema: Importação de Serviços. Este curso é focado na importação de produtos.

 

Importação por conta e ordem e drawback

two person shaking each others hands

Foto por rawpixel.com em Pexels.com

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) permite que empresas brasileiras possam se beneficiar da importação por conta e ordem de terceiros na modalidade isenção do regime de drawback, que consiste na desoneração de tributos incidentes sobre compras realizadas para reposição do estoque de insumos anteriormente utilizados na industrialização de produtos exportados.

Antes, apenas as próprias empresas beneficiárias do drawback isenção podiam efetuar as aquisições de insumos do exterior com desoneração tributária, não sendo permitido que esse serviço pudesse ser prestado por uma outra empresa (importadora), que promoveria, em nome do usuário do regime, a operação.

Essa medida, fruto do trabalho desenvolvido no âmbito do grupo criado entre a Secex e a Receita Federal para discutir e propor ações de aperfeiçoamento do regime de drawback, visa aumentar a inserção de micro, pequenas e médias empresas no comércio internacional, pois possibilita a essas firmas, que geralmente não dispõem de uma equipe de especialistas em comércio exterior, usufruírem dos benefícios do drawback.

A medida permite ainda a estas empresas concentrarem as atividades em seus negócios principais, delegando o processo de importação a um intermediário especializado nessas operações. Desse modo, poderão atuar de maneira mais eficiente no mercado e assim aumentar a competitividade de suas exportações.

Neste momento, a importação por conta e ordem será disponibilizada para o drawback isenção. Até junho de 2017 a medida também estará disponível para a modalidade suspensão do regime de drawback.

Para orientar as empresas sobre como operar com a importação por conta e ordem no drawback isenção, a Secex disponibilizou atualização do Manual do Drawback Isenção, contendo instruções detalhadas sobre como o beneficiário do regime poderá utilizar essa nova possibilidade.

Aprenda Comércio Exterior
whatsapp: 31 98411.8218

Secex amplia acesso de setores fragmentados aos mecanismos de defesa comercial

business commerce container export

Foto por Kaique Rocha em Pexels.com

A nova legislação é parte integrante do processo de atualização das normas brasileiras de defesa comercial

Brasília (31 de julho) – Foi publicada hoje, no Diário Oficial da União, a Portaria da Secretaria de Comércio Exterior nº 41/2018, que dispõe sobre as informações necessárias para a habilitação da produção nacional de determinado produto como indústria fragmentada, para fins de instrução de pleitos de defesa comercial.

Na prática, a portaria possibilita que os setores fragmentados, caracterizados por número elevado de produtores domésticos, tenham melhores condições de acesso aos mecanismos de defesa comercial, ao flexibilizar os prazos para protocolo de petição previstos nos regulamentos brasileiros de defesa comercial, conferindo-lhes mais tempo para coletar as informações solicitadas pelo Departamento de Defesa Comercial (Decom).

Para isso, a nova portaria da Secex regulamenta o disposto no art. 1º do Decreto que dispõe sobre os prazos e os requisitos aplicáveis a indústrias fragmentadas no âmbito de investigações de defesa comercial, atendendo à demanda de diversos setores produtivos, tanto industriais quanto agrícolas, que enfrentavam dificuldades para submeter pleitos de investigação.

Confira aqui a integra da Portaria Secex nº 41

Em 2013, com a entrada em vigor do novo Regulamento Antidumping Brasileiro (Decreto nº 8.058, de 2013), foi atendida a demanda do setor privado por ações mais rápidas e eficazes do governo para neutralizar os efeitos de importações a preços de dumping sobre a indústria nacional. Entretanto, para ampliar a celeridade das investigações, o novo regulamento estabeleceu prazos mais reduzidos para apresentação de petições por parte da indústria doméstica. Por conta disso, as indústrias fragmentadas – não raro compostas por produtores de menor porte – enfrentavam dificuldades para coletar as informações necessárias para comprovação do dano decorrente de práticas de dumping e formular suas petições dentro dos prazos estabelecidos.

O tema da Portaria foi bastante debatido entre governo e sociedade. Ao longo do segundo semestre de 2017, proposta de texto para o documento foi disponibilizada para consulta pública e debatida amplamente com representantes do setor privado. As contribuições foram levadas em consideração quando da elaboração do texto final da nova regulamentação.

A edição da Portaria faz parte do processo de modernização das normas brasileiras de defesa comercial, iniciado em 2013 com o novo Regulamento Antidumping Brasileiro, e conclui mais uma etapa do processo de ampliação do acesso aos mecanismos de defesa comercial por setores fragmentados, que teve início com a publicação do Decreto nº 9.107, de 2017, prevista no Planejamento Estratégico 2016-2019 do MDIC e no Grupo de Trabalho de Simplificação Administrativa do MDIC.

A próxima etapa consiste na elaboração do roteiro de petição previsto no art. 2º do Decreto nº 9.107, de 2017, para as indústrias habilitadas como fragmentadas nos termos da Portaria Secex nº 41 de 2018.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do MDIC

Aprenda Comércio Exterior
whatsapp: 31 98411.8218

Checklist da importação, Passo a passo importação

shallow focus photography of black ship

Foto por Sascha Hormel em Pexels.com

 

CHECKLIST NA IMPORTAÇÃO

Muitas pessoas quando estão iniciando um processo de importação ficam imaginando quais seriam os principais passos a serem realizados e para ajudar a entender melhor cada etapa criamos um check list da importação, vamos a eles:

FASE 1 – PLANEJAMENTO INICIAL

Antes de começarmos a importar precisamos verificar se realmente vale a pena fazer a importação, então iremos fazer uma análise do ponto de vista financeiro e administrativo começando pelas seguintes etapas:

1- CLASSIFICAÇÃO FISCAL DAS MERCADORIAS

Encontrar a classificação fiscal correta das mercadorias é um passo fundamental.

Se encontrarmos o código de classificação fiscal errado teremos iniciado todo o processo de importação de forma errada pois não saberemos qual a carga tributária correta e se a mercadoria está sujeita a licença de importação ou algum tipo de sobretaxa (como por exemplo antidumping).

O código NCM – Nomenclatura Comum do Mercosul é um código de 8 dígitos que identifica a mercadoria, a carga tributária e os tratamentos administrativos (necessidade de licença de importação). Então precisamos encontrar este código para seguir em frente.

2- LICENÇA DE IMPORTAÇÃO

Se o produto estiver sujeito a licença de importação precisamos saber qual o órgão anuente e quais são os procedimentos e custos para conseguir esta licença.

Exemplo: Brinquedos precisam de licença de importação do INMETRO.

Lembrando que se a mercadoria precisar de licença de importação não poderemos importar pelos correios / Importa Fácil ou remessa expressa, neste caso teremos que habilitar a empresa no Radar / Receita Federal e fazer um processo de importação formal (formal import), normalmente com despachante aduaneiro próprio.

Você até pode usar o frete de alguma empresa de remessa expressa, mas o despacho aduaneiro não será enquadrado nesta modalidade.

3- FORNECEDORES NO EXTERIOR

Precisamos localizar fornecedores confiáveis no exterior e pedir uma cotação formal da parte deles, esta cotação formal é conhecida como fatura proforma (proforma invoice). Na fatura teremos as condições de compra e venda bem detalhadas.

É importante ter conhecimento e experiência para analisar corretamente os dados da fatura pois através dela já poderemos até mesmo descartar um fornecedor ou solicitar diversas alterações.

Também precisamos analisar se o fornecedor é mesmo confiável para evitar tratar com empresas que não são idôneas ou até mesmo com pessoas físicas que estão se passando por pessoas jurídicas no exterior.

4- ESTIMATIVA DE CUSTOS

O próximos passo é fazer uma planilha com a estimativa de custos da importação, considerando a forma de importação a ser feita (correios, remessa expressa, aérea, marítima ou rodoviária). Cada modalidade de importação tem suas particularidades, seus custos e seus riscos.

Na planilha de custos teremos que considerar as principais despesas tributárias e não tributárias como por exemplo:

Exemplo de despesas tributárias

AFRMM – Adicional de frete para renovação da marinha mercante (nas importações marítimas)

COFINS – Contribuição para fins sociais

II – Imposto de importação

ICMS – Imposto sobre circulação de mercadorias e serviços (estadual)

IPI – Imposto sobre produtos industrializados

PIS – Programa para inclusão social

Exemplo de despesas não tributárias

Armazenagem

Capatazia / Movimentação da carga

Câmbio

Consultoria

Despesas de logística

Despachante aduaneiro / Despacho aduaneiro

Frete

Inspeção de produtos na origem

Seguro

Uma vez concluída esta estimativa de custos e considerando que a importação é mesmo viável, passaremos para a etapa seguinte que será realizar o processo de importação.

FASE 2 – REALIZAR O PROCESSO DE IMPORTAÇÃO

Aqui nesta etapa precisamos avaliar o seguinte:

1- HABILITAÇÃO DA EMPRESA NO RADAR e do RESPONSÁVEL LEGAL NO SISCOMEX

Dependendo do tipo de importação a ser feita precisaremos de habilitar a empresa no RADAR e o responsável legal no SISCOMEX.

Lembrando que as importações através dos correios e por remessa expressa dentro dos limites estabelecidos por lei não exigem que a empresa tenha esta habilitação.

2- CADASTRO DA EMPRESA NO SISTEMA MERCANTE

Para importações marítimas a empresa precisa estar cadastrada no sistema MERCANTE onde é recolhido o AFRMM.

3- CADASTRO NO SISTEMA IMPORTA FÁCIL DOS CORREIOS

Para empresas que forem importar pelos correios é necessário fazer previamente o cadastro da empresa e do processo de importação e orientar o fornecedor a forma correta de fazer a postagem das mercadorias.

4- DESPACHANTE ADUANEIRO E AGENTE DE CARGAS

Dependendo do tipo de importação a ser feita precisaremos definir um despachante aduaneiro e um agente de cargas.

5- PAGAMENTO AO FORNECEDOR NO EXTERIOR

Dependendo da forma de pagamento exigida pelo fornecedor precisaremos de ter cadastro da empresa junto ao departamento de câmbio do banco ou junto a uma corretora de câmbio.

6- FORNECEDOR NO EXTERIOR

Precisamos orientar o fornecedor sobre a documentação necessária no processo de importação, verificar se a documentação está correta e pedir para corrigir alguns erros quando necessário.

Também precisamos orientar o fornecedor sobre como realizar a marcação correta das caixas e passar algumas orientações sobre o embarque da mercadoria.

Dependendo do tipo de importação a ser feita será necessária a atuação do agente de cargas nesta etapa.

7- EMBARQUE E CONCLUSÃO DO DESPACHO ADUANEIRO

Após o embarque da mercadoria no exterior precisamos acompanhar a chegada da mercadoria no Brasil e o andamento e a conclusão do processo de despacho aduaneiro, com o devido recolhimento dos impostos e pagamento das demais despesas da importação.

8- CONCLUSÃO DA IMPORTAÇÃO

O processo termina com a entrega da mercadoria ao importador e a emissão da nota fiscal de entrada dos produtos.

Espero que este passo a passo / checklist seja útil e ajude a entender melhor quais são as etapas do processo de importação de uma empresa.

Para quem está iniciando ou tem pouca experiência sugiro contratar uma consultoria especializada para evitar cometer erros e também para ter ajuda de uma pessoa que já tem experiência, inclusive prestamos este tipo de serviço e você pode entrar em contato para obter mais informações sobre este serviço.

Desejo sucesso a todos!

Atenciosamente,

Professor Henrique Mascarenhas

GS Educacional

www.gseducacional.com.br

Whatsapp: 31 98411.8218