Substâncias e Cargas Perigosas para transporte marítimo: Informações

atlas continent country creativity

Foto por Pixabay em Pexels.com

CURSOS E CONSULTORIA EM COMÉRCIO EXTERIOR

www.cursosdecomercioexterior.com.br

Classe 1: Explosivos

Classe 2: Gases

Classe 3: Líquidos inflamáveis

Classe 4: Sólidos inflamáveis, substâncias que podem ocasionar combustão espontânea e substâncias que, em meio aquoso, podem emitir gases inflamáveis

Classe 5: Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos.

Classe 6: Substâncias infectantes e tóxicas

Classe 7: Material Radioativo.

Classe 8: Substâncias Corrosivas.

Classe 9: Diversas substâncias/Miscelâneos.

DCA – Dangerous Cargo Application: Documento que contém as informações básicas da carga, como sua classificação, periculosidade, peso bruto, flash point , Proper Shipping Name.

FICHA DE EMERGÊNCIA: É um guia de procedimentos destinado às equipes de atendimento a emergência quando da ocorrência de um acidente de transporte e deve ser elaborada segundo uma norma específica da ABNT.

CERTIFICADO DE HOMOLOGAÇÃO DAS EMBALAGENS: Todas as embalagens devem ser específicas e aprovadas segundo critérios estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

FISQP: Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico.

MSDS: Ficha de Dados de Segurança – Inglês Material Safety Data Sheet.

Anúncios

Como posso receber os valores relativos às minhas exportações?

pile of intermodal containers

Foto por Frans Van Heerden em Pexels.com

CURSOS E CONSULTORIA EM COMÉRCIO EXTERIOR

www.cursosdecomercioexterior.com.br

Whatsapp: 31 98411.8218

Você pode receber o valor referente às suas exportações:

  1. mediante crédito do correspondente valor em conta no exterior mantida em banco pelo próprio exportador;
  2. mediante crédito em conta mantida no exterior por banco autorizado a operar no mercado de câmbio no País;
  3. por meio de transferência internacional em reais, aí incluídas as ordens de pagamento oriundas do exterior em moeda nacional;
  4. por meio de cartão de uso internacional, emitido no exterior;
  5. por meio de vale postal internacional, nas operações até o valor equivalente a US$ 50 mil, observada a regulamentação dos Correios;
  6. em espécie, observada a regulamentação específica;
  7. por meio de empresa facilitadora de pagamentos internacionais domiciliada no País. Nesses casos, o exportador receberá os recursos em reais, mediante crédito à conta de depósito do exportador ou em cartão de crédito de sua titularidade.

Já o ingresso no Brasil das receitas do exportador ocorre por meio de:

  1. operação de câmbio com instituição autorizada a operar no mercado de câmbio, observado que, para valores superiores a US$ 100 mil, as operações de câmbio só podem ser realizadas com bancos;
  2. débito à conta em moeda nacional que o importador estrangeiro mantenha no País;
  3. ordem de pagamento em reais, recebida de banco do exterior que mantenha conta em reais em banco autorizado a operar em câmbio no País;
  4. cartão de crédito internacional; e
  5. vale postal internacional, dos Correios, na operação de valor não superior a US$ 50 mil ou o equivalente em outras moedas.

Fonte: Banco Central

Lista de laticínios autorizados a exportar para a China

brown cattle on green lawn grass during daytime

Foto por Pixabay em Pexels.com

CURSOS E CONSULTORIA EM COMÉRCIO EXTERIOR

www.cursosdecomercioexterior.com.br

Whatsapp: 31 98411.8218

A China habilitou 24 estabelecimentos brasileiros para exportação de produtos lácteos. A certificação estava acordada com o país asiático desde 2007, mas não havia nenhuma planta brasileira habilitada a exportar. Os chineses são os maiores importadores do mundo de lácteos.

Entre os produtos que poderão ser vendidos estão leite em pó, queijos e leite condensado.

Com a abertura do mercado chinês, a Viva Lácteos – Associação Brasileira de Laticínios estima exportar US$ 4,5 milhões em produtos lácteos.

Em 2018, os chineses importaram, por exemplo, 108 mil toneladas em queijos, com um crescimento médio anual de 13% nos últimos cinco anos.

O setor lácteo brasileiro exportou, no ano passado, para mais de 50 destinos.

Confira abaixo a lista dos estabelecimentos habilitados. As informações são do General Administration of Customs (China):

1 – Laticínios São João – São João do Oeste (SC) – queijo e manteiga

2 – Itambé Alimentos – Goiânia (GO) – leite em pó e manteiga

3 – Cooperativa Central Gaúcha – Cruz Alta (RS) – leite em pó e creme de leite

4 – Nutrifont Alimentos – Três de Maio (RS) – whey protein, soro de leite em pó e outros

5 – Itambé Alimentos – Sete Lagoas (MG) – leite em pó

6 – Celles Cordeiro Alimentos – Macuco (RJ) – leite em pó

7 – Itambé Alimentos – Uberlândia (MG) – leite em pó

8 – Laticínios Tirolez – Lins (SP) – queijo

9 – Aurea Indústria e Comércio – Braço do Norte (SC) – leite condensado

10 – Polenghi Indústrias Alimentícias – Angatuba (SP) – queijo e outros

11 – Mococa Produtos Alimentícios – Mococa (SP) – leite condensado e creme de leite

12 – Laticínios Bela Vista – Bela Vista de Goiás (GO) – leite em pó

13 – Alibra Ingredientes – Marechal Cândido Rondon (PR) – leite em pó, soro de leite em pó e outros

14 – Sooro Concentrado Indústria de Produtos Lácteos – Marechal Cândido Rondon (PR) – soro de leite em pó e whey protein

15 – Frimesa Cooperativa Central – Marechal Cândido Rondon (PR) – leite condensado e queijo

16 – Laticínios J.L. – Orizona (GO) – queijos

17 – Laticínios Tirolez – Tiros (MG) – queijo

18 – Laticínios Tirolez – Arapuá (MG) – manteiga

19 – Lactalis do Brasil – Ijuí (RS) – leite em pó, fórmula infantil, soro de leite em pó, queijos e outros

20 – Lactalis do Brasil – Teutônia (RS) – manteiga, leite em pó, fórmula infantil e outros

21 – Cooperativa Consulati – Capão do Leão (RS) – leite em pó

22 – Cooperativa dos Suinocultores de Encantado – Arroio do Meio (RS) – leite em pó

23 – Itambé Alimentos – Guanhães (MG) – leite em pó e manteiga

24 – Schreiber Foods do Brasil – Rio Azul (PR) – queijos e outros

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br