Maersk confirma aquisição da Hamburg Sud

Container Ship

A container ship arriving in port on a very calm day.

A partir de agora a empresa de navegação Hamburg Sud faz parte da Maersk, consolidando a Maersk como uma das maiores e mais importantes empresas de navegação a nível mundial.

Aprenda Comércio Exterior
whatsapp: 31 98411.8218
Anúncios

Porto do Açu lançou um novo site

O Porto do Açu lançou um novo site com  dados sobre a operação dos terminais que movimentam os mais diversos tipos de cargas.

O Terminal Multicargas (T-MULT), que movimenta graneis sólidos e carga geral, ganhou destaque com uma página exclusiva. Além das características do terminal, que tem 14,5 metros de profundidade, 500 metros de cais e 200 mil m² de área alfandegada, é possível acompanhar no site os navios que estão atracados no momento e também os que estão previstos para os próximos dias.

A nova página pode ser acessada pelo endereço http://www.portodoacu.com.br

Porto de Santos recupera calado máximo no Trecho 1

O Porto de Santos recuperou o limite máximo do calado operacional de 13,2 metros no Trecho 1 do canal de navegação, que vai da Barra até o Entreposto de Pesca. Com isso, em dias em que a maré está alta, navios com até 14,2 metros de calado (profundidade que pode ser atingida pela embarcação) estão autorizados a trafegar no complexo santista, até as proximidades da Brasil Terminal Portuário (BTP).

A decisão foi tomada após a análise, por parte da Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP), de uma batimetria (levantamento de profundidade) encaminhada pela estatal que administra o Porto de Santos.

Com o resultado a análise, o Porto volta ao patamar de navegação que havia perdido após o assoreamento (deposição de sedimentos) no final do primeiro semestre. Isto porque, no dia 30 de junho, as autoridades portuária e marítima foram obrigadas a restringir a navegação para navios com até 12,3 metros de calado.

Fonte:A Tribuna
Aprenda Comércio Exterior
whatsapp: 31 98411.8218

Implantação da MIC-DTA de saída e CE Rodoviário

No próximo dia 07/10/2017, será implantada nova versão da DE Web, MIC-DTA de saída no Sistema Trânsito e CE Rodoviário no Siscomex Carga.

Para as exportações realizadas pela DE Web no modal rodoviário, os transportadores passarão a utilizar os sistemas Trânsito (MIC-DTA de saída) e Siscomex Carga (CE Rodoviário).

Os transportadores rodoviários deverão providenciar habilitação no Siscomex Carga, perfil – TRANSP-ROD, junto a unidade da RFB de sua jurisdição ou do representante estrangeiro, bem como possuir certificação digital para acessar o Siscomex Carga.

Os transportadores de trânsito internacional deverão estar com a habilitação regular junto a ANTT. Deverão ainda, caso não possuam, solicitar habilitação de acesso ao Sistema Trânsito da RFB, perfil – TETI ou TNTI.

Maiores informações sobre a implantação e utilização dos sistemas constam na página de acesso ao Sistema Trânsito.

Fonte: Portal Siscomex – Out / 2017

 

Aprenda Comércio Exterior
whatsapp: 31 98411.8218

Por que contratar um agente de cargas para o transporte marítimo?

Carlos Alexandre Souza

 

Por mais que ferramentas online, softwares e novos marcos da tecnologia possam tornar a logística algo cada vez mais dinâmico, transportar uma carga entre continentes exige experiência, conhecimento e contatos nacionais e internacionais. Para imprimir inteligência a esse negócio, o ideal é contratar um agente de cargas (freight forwarder), empresa ou profissional que tem todas as condições de alocar sua carga – tanto em termos de serviço como de valores – poder de negociação e atendimento customizado para cada cliente.

 

O agente de cargas está apto a fornecer todo o follow-up da carga de forma mais efetiva, coordenando desde a coleta na fábrica até a entrega no destino, e utilizando vários fornecedores para efetivar tal movimentação. Os serviços oferecidos aos importadores e exportadores compreendem a contratação de frete internacional e nacional junto às agências marítimas, companhias aéreas e demais transportadores.

 

Outros serviços envolvidos no transporte marítimo também são prestados pelos agentes de carga, como coordenação, consolidação e desconsolidação de cargas; armazenagem e distribuição de mercadoria; assessoria nas questões aduaneiras e fiscais; contratação de seguro; coleta e serviços logísticos. A maior responsabilidade deste profissional, no entanto, é buscar soluções logísticas dentro do mercado como, por exemplo, ter mais de uma opção de embarque para movimentar a carga quando o cliente precisa.

 

Quando utiliza o serviço do agente de carga, o cliente busca aperfeiçoar sua operação e evitar que problemas aconteçam. Em um mercado cada vez mais dinâmico e competitivo, é fundamental ter uma equipe qualificada e motivada para que o serviço oferecido seja satisfatório. A qualidade da mão de obra permite ao agente de carga desenvolver o seu trabalho com segurança, gerir informações assertivas com velocidade e trazer um serviço customizado para aumentar a competitividade dos clientes no mercado.

 

* O autor é coordenador comercial da Allog International Transport

 

Aprenda Comércio Exterior
whatsapp: 31 98411.8218

Como funciona o Drop Shipping, porque é considerado irregular

O sistema considerado como drop shipping é um sistema de importação irregular do ponto de vista da Receita Federal.

Neste sistema existe uma pessoa física aqui no Brasil que tem contato com um fornecedor no exterior (que pode ser uma pessoa física também).

Esta pessoa física cria um site ou divulga os produtos a preços muito baixos em sites de compras e recebe o pagamento diretamente de clientes no Brasil. Depois que receber o pagamento do cliente no Brasil, paga o fornecedor no exterior e pede para o fornecedor no exterior enviar as mercadorias diretamente para o cliente final no Brasil que terá que pagar impostos na importação e que teoricamente é o importador.

Do ponto de vista da legislação brasileira este tipo e importação é uma fraude pelos seguintes motivos:

1- A pessoa física não pode realizar importação com finalidade comercial e a pessoa física não tem uma empresa constituída para fazer isso.

2- Mesmo que você tenha uma empresa, você não pode pagar uma pessoa física no exterior como seu fornecedor e nem pode pagar uma empresa no exterior e depois pedir para ela enviar a mercadoria diretamente para seu cliente final no Brasil.

Sempre que você compra uma mercadoria ou faz o pagamento para a conta de uma pessoa física no exterior, esta mercadoria é considerada usada e mercadorias usadas são proibidas de serem importadas, salvo raras exceções e sempre com licença de importação prévia.

Quando se faz a importação de forma legal e profissional como pessoa jurídica, a própria empresa importadora realiza o processo de despacho aduaneiro em seu nome e recolhe todos os impostos na importação.

3- Existe ocultação do real comprador e do real vendedor das mercadorias.

4- Quem vende o produto no Brasil não emite nota fiscal, não recolhe tributos,  não dá garantias legais e não realiza o processo de importação tradicional.

Este tipo de importação irregular está sujeito a diversos processos na justiça, tanto a nível cível, como a nível criminal, portanto não é um processo de importação considerado regular e correto pela legislação brasileira.

Se você tem interesse em importar produtos com finalidade comercial, você deve constituir uma empresa, que pode ser inicialmente um microempreendedor individual ou uma microempresa.

Algumas vantagens de fazer a importação como pessoa jurídica, da forma legal e profissional são as seguintes:

– Fazer tudo legalmente de acordo com a legislação brasileira

– Não sonegar impostos

– Não ser autuado pela Receita Federal e pela Receita Estadual

– Não ser processado pelo governo

– Fazer tudo da forma legalmente certa

– Poder emitir nota fiscal para seus clientes

– Poder divulgar seu serviço e seus produtos normalmente

Aprenda importar legalmente e profissionalmente!

Contato:

www.cursosdecomercioexterior.com.br

Whatsapp: 31 98411.8218

Porto de Santos bate recorde

O Porto de Santos bateu seu recorde de movimentação de cargas no mês passado, quando escoou 11,39 milhões de toneladas. O resultado é 0,3% maior do que a marca anterior, de 11,36 milhões de toneladas, obtida em agosto do último ano. O crescimento se deve, principalmente, ao aumento nas exportações, em especial as das cargas agrícolas, consequência da safra recorde registrada pelo País.

Considerando o total de cargas operadas nos primeiros cinco meses do ano, o complexo marítimo movimentou 50 milhões de toneladas, 4,4% a mais do que no mesmo período do ano anterior.

Analisando apenas o transporte de contêineres, em tonelagem, houve uma queda de 2,2% no mês, que fechou com 3,53 milhões de toneladas. Em quantidade, a redução é menor, de 0,8%, com 308,4 mil TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés). No acumulado de janeiro a maio, porém, houve um crescimento de 7,9% em peso (16,87 milhões de toneladas) e de 4,5% em quantidade (1,45 milhões de TEU).

Esses dados integram o balanço operacional do Porto de Santos em maio e foram divulgados na manhã de ontem pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), empresa controlada pelo Governo Federal e que administra o complexo marítimo.

De acordo com o levantamento, no último mês, as exportações do cais santista chegaram a 8,54 milhões de toneladas, 12,8% a mais do que em maio de 2016. A maior parte era do complexo soja (grãos e farelo), que somou 3,38 milhões de toneladas, com uma alta de 17,3%. Em seguida, está o açúcar (tanto em contêineres como a granel), com 2,26 milhões de toneladas, 25,7% a mais.

As importações cresceram 1,1% em maio, em relação ao mesmo mês de 2016, atingindo 2,85 milhões de toneladas. Entre as cargas desembarcadas, os destaques foram o óleo diesel e o gasóleo, com 242,3 mil toneladas (85,8% a mais), e o adubo, que registrou 219,6 mil toneladas, uma queda de 31,7%, segundo os dados mensais da Codesp.

Em relação ao movimento de navios escalando no Porto em maio, o levantamento da Companhia Docas aponta que 406 embarcações estiveram no complexo, três a mais (0,7%) do que nesse mês, no ano passado. No acumulado do ano, porém, houve uma queda de 28 cargueiros (1,4%). Foram 1.969 neste exercício, contra 1.997 em 2016.

Essa queda e o aumento na movimentação mostram que, em média, os navios que vem a Santos estão carregando mais cargas por viagem.

Fonte: A Tribuna